segunda-feira, 20 de abril de 2009

Notícias de segunda-feira

Na viagem a caminho do trabalho aproveito para ouvir as notícias da manhã. Sintonizo o rádio na TSF e espero que hoje as notícias sejam menos más que no dia anterior. Que, para variar, haja pelo menos uma noticia boa. Porque a apresentação de qualquer bloco noticiário não é: " E agora apresentamos as más noticias do país e do mundo". E no fundo deveria ser. Porque nunca, ou quase nunca, se dão boas notícias. E estas também devem existir. Assim restam-nos as desgraças que crescem por este país fora. No meio destas ouço:


Deveria ficar escandalizada? Pois, mas neste país esta é uma daquelas noticias que não causam admiração. O aproveitamento, ou tentativa, dos bens públicos é algo usual. Nas empresas publicas ou nos organismos locais. O desperdício, o faz e deita abaixo, o esbanjar dos dinheiros das autarquias é indisfarçável. Num meio pequeno como aquele em que vivo vê-se isso a cada esquina. Os amigos e familiares dos autarcas e funcionários de organismos públicos são favorecidos em detrimento de todos os outros. As cunhas são essenciais. Todos sabemos disso mas no fundo ninguém faz nada para evitar esta situação.

Da minha secretária observo quatro trabalhadores camarários. Limpam areia que restou do arranjo do passeio. Cada um tem uma vassoura. De cada vez que um começa a varrer ou outros param e observam. Dois a três minutos depois aquele pára para dar lugar a outro. E assim continuam. Não sei por quanto tempo pois não fiquei para saber. Fico revoltada, com vontade de ir lá e perguntar-lhes se não têm vergonha. Porque eu tenho. Vergonha de viver num país assim, de aproveitadores, preguiçosos, corruptos, cobardes. Que falam, falam, falam, ou escrevem, e não dizem nada!

5 comentários:

Carla Isabel disse...

assino po baixo!

Lótus disse...

Concordo plenamente! Quanto menos se faz menos se quer fazer e tudo depende das cunhas e do compadrio... uma vergonha!

Mamã da Rafinha disse...

Condordo!

Beijinhos cheios de carinho

Mamã da Rafinha disse...

sorry *concordo

Beta disse...

Valha-nos a esperança que um dia esta triste realidade vai mudar...