quarta-feira, 3 de junho de 2009

Não sei se rio

ou choro. O facto é que ainda estou em choque.

Ontem ao final da tarde a Bia chamou um amiguinho, que é nosso vizinho, para vir brincar no nosso jardim. O D. é da idade da Bia e conhecem-se desde pequenos. Embora não frequentem a mesma escola estão muitas vezes juntos, pois temos amigos e familiares em comum. Ontem a brincadeira acabou cedo porque ele não soube aceitar um não.

Com apenas 8 anos a minha filhota já começa a despedaçar corações. Ele, com apenas 8 anos, não aceitou que ela já tenha o coração ocupado. Ele pediu-lhe namoro, ela disse que não.

Era tudo muito engraçado se tivesse ficado por aqui. No entanto, o doce de menino que ele parecia, transformou-se num chantagista. Do alto dos seus 8 anos informou-a que tinha até sábado para mudar de ideias. Ou aceita namorar com ele ou ele fala com uns amigos que tem e assaltam a casa dela. Pois é! E não são uns simples amigos, disse ele. São adultos e muito maus. E com isto foi-se embora.
Ela correu para dentro a contar-me. Assustada levou a ameaça a sério. Falei com ela e ajudei-a a ver que não passava de simples chantagem. Nem ele tem amigos adultos, nem eles fariam uma coisa dessas. Mais importante que isso tentei mostrar-lhe que nunca devemos ceder a essas ameaças e quem faz esse tipo de coisas não gosta realmente de nós. Depois de reflectir no que conversámos disse-me que achava melhor contar aos pais dele. A seguir pensou melhor e achou que o ideal seria contar eu. Com a decisão do que fazer tomada ficou descansada e parece-me que está bem.
Eu, que no inicio até me ri, fiquei preocupada. Começam cedo os problemas sentimentais da minha menina. Começam cedo as pressões, chantagens e tentativas de mudar a sua vontade. E que dizer deste menino? Devemos desdramatizar o assunto ou preocuparmo-nos com o futuro adulto que ele será? Devo chamar-lhe atenção ou falar mesmo com os pais? Devo deixar que sejam as crianças a resolver o assunto ou interferir?

O que lamento mais que tudo é que a amizade entre eles tenha acabado. É que a maneira como eu via o D. se tenha alterado. É que a maldade tenha lugar na mente de crianças tão pequenas. Estou a exagerar? Talvez, mas o sentimento de protecção em relação à minha filha é maior que tudo o resto.

13 comentários:

Joanissima disse...

Desculpa se me intrometo por aqui... Também sou Mãe e estas coisas tocam-me sempre muito fundo. Li-te e não pude deixar de pensar o que faria se isto se tivesse passado com a minha filha.
É claro para mim que as crianças são um espelho do que veem e do que vivem. Tambem é claro que a maldade de que falas (e que soa tão real) será para essa criança, provavelmente, a forma como ele vê os outros (pais? educadores?) a resolver os seus problemas.
Eu tambem falaria com os pais. Mas vai preparada para eles desvalorizarem isso porque, se clahar, aquilo na opinião deles, faz parte do crescimento do filho e talvez até seja assim que eles ajam na vida.

O mais extraordinário é sentires que a tua filha confia em ti, se sente segura nos teus braços e com as tuas palavras e é isso que é importante.
Perdeu uma amizade mas ganhou mais respeito por ela mesma ainda que, por agora, não saiba colocar as coisas nesses termos.

Desculpa o testamento.
Beijo.

MJC disse...

Olá, bom dia
Acho que deves falar com a mãe desse menino. Se bem que podem ser coisas de crianças, também há que os fazer ver o que está errado. E a atitude dele, a meu ver, não foi a mais correcta.
Mas o principal, é fazeres entender à tua filhota que nunca devemos fazer algo contra a nossa vontade, muito menos ceder a qualquer chantagem e isso acho que conseguis-te.
Beijinho

Rainha Mãe disse...

Joanissima: intromete-te sempre que quiseres. É um prazer ler-te e ouvir as tuas opiniões. Acabarei por falar com os pais do menino mas tenho a convicção que irão desvalorizar o assunto. Contudo, pelo bem do menino, espero que lhe expliquem que esta não é a melhor forma obter o que se deseja. E realmente o melhor da história é saber que a minha filhota confia em mim. Espero que esta confiança perdure no tempo...

Lótus disse...

Eu, que ainda não tenho filhos e portanto só posso falar de cor, falava com os pais do menino. Se eles optarem por desvalorizar o assunto paciência, já não está nas tuas mãos, mas ficas certa que fizeste o que era certo...

Beijinhos

Carla Isabel disse...

...ai ai ai
Eu acho que nao deves valorizar muito!
São 8 anos e vale o que vale!
Mas podes sempre falar com os pais do menino para, querendo, falarem com ele, e explicarem o quanto é feio fazer ameaças, sejam eleas de qualquer especie!

Bjs

Blue C disse...

Só tenho a dizer isto: és uma Mãe de mão-cheia ao ensinares a tua filha a ser leal a si mesma. Brilhante!

rosemary disse...

Bem... Não acho que estejas a dramatizar. Este tipo de atitude numa criança tão novinha não é normal. Não surgiu assim do nada, com certeza que aprendeu em algum lado... Acho que fazes bem em falar com os pais, o pior é que nem sempre eles estão dispostos a ouvir. Mas ao menos tenta. É uma acto de protecção para com a tua filha e para evitar que o mesmo aconteça com outras meninas. São tão novinhas e já a lidar com este tipo de situações...

bjs*

MARIINHA disse...

Rainha Mãe:
Depois de ler o teu post, tentei colocar-me no teu lugar e imaginar o que eu faria. Mas antes de referir, quero dizer-te que foi muito bom a tua filha ter-te contado. Isso é bom.Assim ela continue a fazê-lo à medida que for crescendo, porque podes dar-lhes os teus conselhos.Agora quanto ao rapazeco, acho que este sinal que deu não é muito bom. Mas eu, não falaria com os pais, porque de certeza que não vão dar importância nenhuma ao caso. Parece-me que, optaria antes por falar com o miúdo directamente, sem os pais metidos no assunto. Avisá-lo. E se ele depois disso tivesse atitudes parecidas então aí partiria para a conversa com os pais.Estamos a falar de miúdos, não de adultos, hoje zangam-se amanhã estão bem e às vezes os pais por causa disso arranjam problemas. Mas esse menino se fosse comigo ficava com ele de pé atrás.
Beijinhos

Pietra disse...

Pois, eu já sabia da paixão que o D. nutria pela B. Já não é de agora!
É muito bom a B. contar-te essas coisas, é sinal que têm uma relação fantástica.
Os miúdos vêm muitos filmes e "copiam" cenas, às vezes nem tem a ver com coisas que aprendem em casa.
Eu não falava com os pais, acho que eles não vão ligar nada a isso, mas falava com o D. e fazia-lhe ver que teve uma atitude muito incorrecta.
Bjs

Tita disse...

Bem???!!!!!!
Nem sei que te diga, os miúdos são muito maus, mas esses requintes de maldade???!!!!
Fogo!!!!
Acho q fizeste bem falar com ela e mostrar-lhe q era uma brincadeira, tadita tão novinha e já com dramas que nunca devem existir na cabecinha de ninguém quer adultos, quer crianças.Não preciso de dizer, mas qdo eles brincarem está mais atenta que o normal.
Beijinhos para vocês

Ana C. disse...

Olha eu fiquei chocada e não foi com a minha filha... Mas pelo menos a Bia sabe que pode correr para os teus braços e buscar conforto.

dangerously in love disse...

Realmente...há coisas muito chatas. Se fosse a ti também falaria com os pais dele...

Coitadinha da PRINCESA :(

beijocas

Sofia disse...

eu acho que falava com os pais dele, nao que ache que eles facam alguma coisa... e tao estranho, as criancas hoje em dia crescem tao depressa. isso sao 'dramas' para mais tarde, aos 8 anos?!! que medo!

o melhor de tudo, claro, e ver como ela confia em ti para te contar tudo.
e ainda bem que assim e!
bjs