quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Depois do champanhe...

Hoje lia o blog Dias de Uma Princesa e concluía que não sou a única a ter estes pensamentos: na próxima vida não tenho filhos.
Desde que a suspeita de neurofibromatose surgiu nunca mais consegui sossegar. As manchas café com leite da Gabi lembravam-me a todo o instante e uma sombra preenchia o meu coração.
Felizmente a análise genética descartou por completo essa hipótese e finalmente respiramos de alívio.
Ainda que ser mãe seja maravilhoso, ainda que o amor pelos filhos seja arrebatador, o melhor do mundo, dou por mim a pensar que nunca mais vou ter sossego. Eu já não sou só eu. Eu somos três. E a parte mais importante de mim nem sequer sou eu. São elas.
E se hoje não troco isto por nada, quando os problemas apertam dou por mim a pensar que noutra vida não vou ter filhos. Menos amor, menos problemas. Mas será mesmo assim? Valeria a pena viver assim?   


1 comentário:

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.